terça-feira, 12 de julho de 2016

A vida que se vai.

A consciência da minha morte faz com que eu tenha uma vida mais leve e presente.
A partir do momento que eu sei que aquilo irá acabar um dia, que seu existir é justamente por essa questão a circunstância por si só se torna única.
Uma vez estava bem desconfortável em uma reunião com uns amigos novos, pela minha timidez, e a única coisa que pensava era que não queria estar ali.Até que injetei em mim o pensamento que daqui a duas horas se uma catástrofe repentina não acontecesse ou mesmo que, eu não estaria mais ali.
Naquele momento de percepção o ambiente ficou mais leve automaticamente e me veio a mente 'isso é único'.


No livro de Milan Kundera em um frase ele cita que como é a primeira vez é como se nunca tivesse acontecido (em um trecho do texto fala sobre a vida ser um ensaio a uma peça que é apresentada na hora, ou seja sem ter como voltar e fazer uma correção).
Acredito que a repetição dos fatos os firmam, mas também os automatizam e normalizam, e dependendo da vivência ela tende a ter importância por muito tempo, como cita Rubem Alves:
'Por ironia ao 'nunca mais' do tempo cronológico, esse momento está destinado ao 'para todo sempre'.
(como no show da Maria Gadú, foi pra mim tão presente pois sabia que existíamos só ali e que iríamos ser passados).

Ganhar como verdade a consciência de que passa o momento vivido ao contrário do que parece não o desfavorece, em casos até o glorifica, o ameniza.
Como já citei, tenho minhas resistências ao lidar com as mudanças e inesperados,o conformismo com a rotina ou momentos e pessoas, me acomodam.
Mas nesse agora percebo que é uma dádiva passar o tempo.
Creio que depois da nossa morte será silêncio.Como diz Cecília Meireles:
'E um dia sei que serei mudo.
-e mais nada'.
Ser passado é o ponto que encontro ao dar valor a algo.
A incerteza do futuro e a consciência de que se vai me faz querer ao máximo dar a devida importância que cabe a cada vivência.
Pelo menos é isso que sigo nesse agora.


(Mesmo sabendo que a morte é o que nos espera, a tratamos como algo distante.
Apesar de ser de certo modo estranho saber que não existirei mais, não faço questão de prolongar minha existência até onde ela deve durar.)

É isso por hoje 
bye bye

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.